Sobre

Desenvolvedor, programador, engenheiro de software, analista de sistemas ou do que diabos você quiser me chamar. O titulo afinal não importa, pois somos todos poetas do código, compositores trabalhando com ciclos de CPU para produzir uma sinfonia afinada de bits. (Isso ficou bonito demais, acho até que devo ter plagiado inconscientemente de algum lugar)

Natural de Itapiranga nos cafundós de Santa Catarina, radicado em Brasília desde 2014(eu sei, você ficou com vontade de falar que aqui só tem ladrão) e tendo sobrevivido por 14 anos em Joinville (terra do tricolor dos tricolores, aquele que nasceu campeão) . Sou casado, pai e blá blá blá.

Levo o a profissão, principalmente no que diz respeito a escrever código, como uma piada, sempre tentando rir das situações. Porque de seriedade já bastam os compiladores com suas regras e erros surreais (maldito erro na linha 764 de um código que só tem 300 linhas).

Atualmente terceirizo serviços para uma empresa de forma quase integral, aliás, esses foi o motivo de eu ter abandonado a terra da chuva rumo a terra dos ladrões de colarinho branco.

Sendo assim abri essa bodega para compartilhar um pouco de conhecimento de forma descontraída e tentando simplificar tudo ao máximo. Se eu consegui? Não sei.

Enfim, sinta-se a vontade, pegue uma cerveja na geladeira, sente no sofá e aprecie essa zona.

Ah! Meu nome? É Francis Schonarth, mas pode ignorar o primeiro nome que meu pai teve o mau gosto de me dar.